BBC Brasil - Primeira página

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Evangelismo Celular

Por Joel Comiskey

Mesmo que eu tenha escrito Home Cell Group Explosion (“Explosão Celular”, em tradução livre) dezoito anos atrás, os conceitos ainda são verdadeiros. O foco do livro foi o evangelismo celular que leva à multiplicação e sobre como o evangelismo celular é a principal diferença entre as células e os pequenos grupos.
As células, em contraste com muitos grupos pequenos, são abertas, orientadas para o evangelismo e estão intimamente entrelaçadas com a vida da igreja. Elas se reúnem semanalmente para desenvolver uns aos outros como membros do Corpo de Cristo e para espalhar o evangelho àqueles que não conhecem Jesus.

De onde vem esta ênfase? Sim, da Bíblia. Mas, mais recentemente, de John Wesley (1703-1791) e David Yonggi Cho (80 anos). Wesley não ficava convencido de que alguém tinha feito uma decisão por Cristo até que a pessoa se envolvesse em um pequeno grupo. As classes de Wesley (células) serviam como uma ferramenta evangelística (a maioria das conversões ocorriam neste contexto) e como agente de discipulado. O evangelismo ocorreu principalmente nas reuniões de classe e no coração das pessoas nas horas seguintes às reuniões. Wesley reconheceu que o início da fé de uma pessoa poderia ser incubado de forma mais eficaz no ambiente cristão caloroso da célula.
Se Wesley foi o precursor do movimento de pequenos grupos, David Yonggi Cho inaugurou a nova era. Cho, o pastor fundador da maior igreja na história do cristianismo, em Seul, Coreia do Sul, credita o crescimento de sua igreja ao sistema celular. Ele comissiona cada célula para trazer os não-convertidos a Jesus Cristo, com o objetivo de multiplicar a célula. Se os líderes de células não conseguem alcançar seus objetivos, Cho os envia ao retiro Montanha de Oração da igreja para jejuarem e orarem.
A comunidade é uma parte encantadora do ministério celular, mas as células não devem afundar concentrando-se exclusivamente na comunhão. Na minha própria célula, nós temos uma meta de alcançar duas novas pessoas ainda este ano. A cada reunião nós colocamos duas cadeiras vazias e oramos pelas duas novas pessoas. Nós regularmente saímos para evangelizar, orar pelas pessoas e distribuir alimentos. Nós voltamos dessas excursões renovados como um grupo.
O evangelismo celular tira a pressão de uma única pessoa e dá a todos a oportunidade de exercer sua fé e se tornar discípulos no processo. Não é a experiência de uma pessoa fazendo o trabalho do ministério. Pelo contrário, é uma experiência compartilhada. Líderes de células sábios entendem isso e capacitam todos no grupo a fazerem a sua parte.