Versículos

BBC Brasil - Primeira página

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Faroeste Cabloco Versão Seculo XXI



Não tinha medo esse tal Luís Inácio
Era o que todos diziam quando ele se elegeu
Deixou pra trás todo os valores de esquerda
De como sindicalista ele sempre aprendeu
Quando criança não pensava em ser bandido
Ainda mais quando no torno um dedinho ele perdeu

Era o sucesso do bairro onde morava
Não sabia escrever mais conquistou o ABC
Gostava mesmo era de greve passeata
Um palanque um microfone para discursar
Sentia mesmo que era mesmo diferente
Sentia que a fábrica não era o seu lugar
Ele queria era se candidatar
Fazer discurso só que agora na TV
Com companheiros ele conseguiu fundar
Assim começa a história do PT
Conquistou as menininhas da cidade
Cabeludo alternativo, militante, professor
Aos trinta e cinco, foi mandado pra prisão
E nasceu o mito, operário sofredor
Ele entendia como a vida funcionava
Conquistou todo os votos da sua classe, sua cor
E conseguiu iludir todo país
E foi ai que ele virou o presidente Salvador.
E lá chegando ele devia um bom dinheiro
E encontrou um marqueteiro com quem foi falar
E marqueteiro sabia o que fazer com resolver
E o que presidente ele salvar
Dizia ele: “Estou em Brasília
Neste país lugar melhor não há
Tô precisando manter os meus contratos
Suas contas deixa que eu vou pagar”
E o mito aceitou sua proposta
E uma festa aconteceu no Planalto Central
Foi a posse mais bonita da cidade
Companheiros e lobistas e diretores de estatal
“Meu Deus, mas que cidade linda,
No Ano-Novo eu começo a trabalhar”
Com sua família, minha casa minha vida
Tenho certeza que todos irão me amar
Na sexta-feira ia pra casa do Palloci
Pra contar todo dinheiro que ele arrecadou
E conhecia muita gente interessante
Banqueiros, deputados, troca troca de favor
Ele ajudou o presidente da Bolívia
Venezuela e até do Equador
Ajudou Fidel Castro e sua ilha
Nosso dinheiro pra lá ele mandou
Mas o congresso as vezes o atrapalhava
Precisava de dinheiro pra se negociar
E ouvia do Delúbio tesoureiro
Que sempre dizia que o marqueteiro ia ajudar
Mas ele não queria mais conversa
E decidiu com Zé Dirceu, que o congresso ia comprar
Elaborou mais uma vez seu plano santo
E sem ser crucificado, o mensalão vai começar.
Logo logo os deputados da cidade souberam da novidade:
“Tem dinheiro bom ai!”
Luís Inácio ficou todo poderoso
E conseguiu todo apoio de todos que estavam ali.
Fez amigos, frequentava a Europa
E ia pra festa de rock com o Bono Vox
Mas de repente
Uma treta no correio
Um deputado indiscreto começou a entregar.
Zé Dirceu foi o primeiro que dançou
E pro inferno ele foi pela primeira vez
E a imprensa foi pra cima da sua turma
“Vocês vão ver, eu vou pegar vocês”
Agora Luís Inácio era bandido
Destemido e temido no Distrito Federal
Mas sempre pra imprensa ele dizia
De que nada ele sabia, nada tinha seu aval
Foi quando conheceu uma menina
E de todos os seus pecados ele se arrependeu
Dilma não era uma menina linda
Mas a sua sucessão Luís Inácio prometeu
Ele pra sempre queria governar
E planejou como iria ser
“Companheira que pra sempre vou mandar
você vai ter que me obedecer”
O tempo passa e um dia vem na porta
Um senhor de alta classe com a constituição
Esse não faz proposta indecorosa
E deixou toda quadrilha com o cú na mão
“Não converso com nenhum jornal
Nem revista de direito isso eu não faço não
E não tenho medo de ministro do supremo
Foi eu que te indiquei fica na sua meu irmão
E é melhor senhor sair da minha casa
Nunca brinque com um cara que um mito da nação”
Mas antes de sair, com ódio no olhar, o senhor disse:
“Você fudeu seu partido, meu irmão”
“Você fudeu seu partido, meu irmão
Você fudeu seu partido, meu irmão
Essas palavras vão mudar a eleição
Eu vou sofrer as consequências como um cão”
Não é que o Luís Inácio estava certo
Seu futuro era incerto e ele não foi governar
Se embebedou e no meio da bebedeira
Descobriu que a menina governava em seu lugar
Falou com Zé se não mais o mais parceiro
E agora essa bomba na sua mão vai estourar
Já com Delúbio e o Genoíno
Bico calado, vocês não vão me entregar
Mas acontece que um tal de Joaquim
Ministro de renome, apareceu por lá
Ficou sabendo dos planos de Luís Inácio
E decidiu que, com Lula ele ia acabar
Mas Zé trouxe um advogado caro
E Luís Inácio já sabia argumentar
E decidiu abrir o bico só depois
Que o ministro começasse a acusar
Seu ministro, presidente sem-vergonha
Foi eu que te indiquei e se coloque no lugar
Aqui nos todos somos inocentes
E não é você que vai nos condenar
E há muito ele não ia pra casa
E a saudade começou a apertar
“Eu vou me embora, eu vou ver a nossa Dilma
Já tá em tempo deu voltar a governar”
Chegando em casa então ele chorou
E pro inferno ele foi pela segunda vez
O Zé, Genuíno e Delúbio
Foram mandados pro xadrez
Luís Inácio era só ódio por dentro
E então Joaquim pra um duelo ele chamou
Amanhã às duas horas na imprensa
Em todos os jornais é pra lá que eu vou
E você pode escolher as suas leis
Que eu acabo mesmo com você, seu ministro traidor
E acabo também com a nossa Dilma
Aquela menina falsa que elegi sem pudor
E o Luís Inácio não sabia o que fazer
Quando viu o repórter da televisão
Que deu notícia do duelo na TV
Dizendo a hora e o local e a razão
No sábado então, às duas horas,
Todo o povo sem demora foi lá só para assistir
O marqueteiro que falava pelas costas
E entregou Luis começou a sorrir
Sentindo o sangue na garganta,
Lula olhou pras bandeirinhas e pro povo a aplaudir
E olhou pro sorveteiro e pras câmeras e
A gente da TV que filmava tudo ali
E se lembrou de quando era uma criança
E de tudo o que vivera até ali
E decidiu entrar de vez naquela dança
“Se a via-crucis virou circo, estou aqui”
E poder cegou seus olhos
E então seus pecados ele enfim reconheceu
Contrariou seu advogado
Que Zé Dirceu lhe ofereceu
“Joaquim, eu sou homem. coisa que você não é
E não entrego os outros não
Olha pra cá filha-da-puta, sem-vergonha
Dá uma olhada na minha barba e vem sentir o teu perdão”
E Luís Inácio com advogado
Deu entrevista e se entregou
E Dilma se arrependeu depois
E o aposentou como presidente salvador
E o povo declarava que Luís Inácio Lula
Era santo porque sabia morrer
E a alta burguesia da cidade
Não acreditou na história que eles viram na TV
E Lula não conseguiu o que queria
Quando veio pra Brasília, com o diabo ter
O que ele fez quando era presidente
Que sempre toda essa gente so faz…
Eu, você
Sofrer…